Manchas de sangue

01/01/2020

Trechos e imagens do artigo Análise do Padrão de Manchas de Sangue em Local de Crime: Revisão de Literatura, por Denise Rabelo Maciel. Monografia apresentada em 2014 à Faculdade de Odontologia de Piracicaba-UNICAMP para obtenção do Título de Especialista em Odontologia Legal e Deontologia. Os trechos e imagens foram selecionados conforme sua utilidade prática em relação aos tópicos deste blog.

Leia o artigo e suas referências bibliográficas na íntegra AQUI.


Atenção


Contém imagens que podem ser consideradas fortes para alguns públicos.


O sangue é um fluido corporal que circula no aparelho cardiovascular e é encontrado em todo o organismo, exceto unhas e epiderme. As características do sangue são constantes, perenes e imutáveis. A sua cor, no organismo, varia do vermelho vivo (sangue arterial) ao escuro (sangue venoso), já no meio exterior, varia dependendo das circunstâncias, como a superfície onde a mancha de sangue se formou, o tempo desde o sangramento, o local do centro de origem, entre outros.

A viscosidade de um líquido é a resistência a mudar de forma ou fluir devido à atração mútua que as moléculas exercem umas com as outras. Quanto mais viscoso um líquido, mais lento ele irá fluir.

A viscosidade do sangue total, com hematócrito normal, é aproximadamente três vezes maior que a da água.

Quando uma fonte de sangue exposto é submetida a uma força externa, a energia é transferida para o sangue que faz com que ele se divida em gotículas menores. Forças externas mais fracas resultam em gotículas maiores, enquanto forças externas fortes resultar em gotículas menores. As gotículas maiores, devido à sua massa, vão mais longe da fonte do que as menores, pois estas são mais afetadas pela resistência do ar.

Os padrões de sangue também podem ocorrer no corpo. Num indivíduo vivo, o sangue é bombeado através das artérias para os capilares e regressa ao coração, através das veias. Golpes deferidos no corpo podem levar ao rompimento dos capilares, veias e artérias. O sangue acumula na zona do golpe, sob a pele e produz um hematoma ou contusão. Este sangue não é diretamente afetado pelo coração, mas sim pela gravidade e a firmeza dos tecidos, assim, um hematoma irá migrar no sentido vertical. Em um indivíduo jovem, esta migração será mais ligeira e indicará se a pessoa se encontrava deitada ou de pé, durante um longo período de tempo, após a ofensa. No caso de um indivíduo mais velho, o sangue irá fluir sob a pele, menos firme, numa área mais extensa, causando um hematoma muito maior.

Os livores cadavéricos são provocados pelo efeito da gravidade no sangue. Quando o coração para de bater, o sangue passa a estar apenas sob a ação da gravidade. Este fato faz com que o sangue assente na parte inferior do corpo. Como a gravidade está sempre presente, os livores cadavéricos começam a aparecer imediatamente após o coração parar de bater. O tempo necessário para se tornar visível depende do contraste existente com a cor normal da pele, quanto mais escura a pele, maior o período de tempo necessário para se tornar visível.

Normalmente, começam a se depositar na terceira ou quarta hora após a morte, atingindo o pico de intensidade entre 12 a 15 horas. Decorrido esse tempo, mesmo quando corpo é movido, os livores não se alteram, devido à fixação dos livores cadavéricos. Este fenômeno é utilizado para determinar se o cadáver foi ou não, movido, após a sua morte. A pressão que o corpo exerce sobre a superfície em que este está apoiado, ou mesmo nas zonas onde a roupa é mais apertada, impede que o sangue se fixe nessas áreas, logo, essas áreas não apresentam alterações.


Ângulo de Impacto

James e Eckert definem o ângulo de impacto como o ângulo agudo ou interno formado entre a direção de uma gota de sangue e o plano da superfície na qual a gota se choca, esses fatores ajudam na análise do padrão das manchas de sangue. Existe uma relação trigonométrica entre o ângulo de impacto de uma gota de sangue sobre uma superfície plana e a largura e comprimento da mancha de sangue resultante. Gotas de sangue em queda livre, que caem verticalmente sobre uma superfície horizontal de impacto a 90 graus, resultam manchas de sangue de forma circular sobre uma superfície lisa e dura.

Elas se tornam mais irregulares, muitas vezes com projeções e respingos periféricos em superfícies mais ásperas e mais porosas. Quando uma gota esférica, em queda livre atinge uma superfície não horizontal, a mancha de sangue resultante é mais oval ou elíptica e alongada em relação ao ângulo de impacto. Quanto mais agudo for o ângulo de impacto, maior será o alongamento da mancha de sangue, assim, diminui a largura e aumenta o comprimento. O ponto mais largo da mancha corresponde ao centro ou ponto mais largo da esfera, e a extremidade mais estreita de uma mancha de sangue alongada produzida a partir de uma gota em queda livre atingindo uma superfície não horizontal, indica a direção do voo.

A forma esférica que uma gota de sangue assume ao voar devido à tensão superficial é importante para o cálculo do ângulo de impacto das manchas de sangue quando atinge a superfície, a análise do ângulo de impacto é importante para determinar o ponto de origem do sangue. Geralmente, um único respingo não é o suficiente para determinar o ponto de origem, é necessária uma série de respingos e que, de preferência, formem um arco para que se possa criar um efeito de triangulação. O processo para determinar o ângulo de impacto não é difícil, quando uma gota de sangue atinge uma superfície plana, o diâmetro da gota em voo é equivalente à largura do respingo, o comprimento do borrifo será maior dependendo do ângulo em que a gota bater.

Acima: relação trigonométrica entre o ângulo de impacto de uma gota de sangue e a largura e comprimento da mancha de sangue resultante.

Acima: gota de sangue esférica resultando em uma mancha de sangue elíptica ou alongada.


Ponto de Convergência

Quando uma fonte de sangue é submetida a uma força ou impacto, as gotas de sangue resultantes podem atingir uma superfície em vários ângulos de impacto e direções. A área ou o ponto de convergência é um ponto para o qual uma mancha de sangue padrão pode ser projetada. Este ponto é obtido traçando linhas a partir do centro de vários respingos para trás de onde o sangue veio, as linhas se cruzam no ponto em que a fonte estava, esse ponto é chamado de ponto de convergência, em algum lugar acima desse ponto é o local em que o sangue se originou (área de origem).

O ponto de convergência pode ser estabelecido no local com o uso de cordas coladas à superfície que se prolongam através do eixo longitudinal de cada mancha de sangue. A determinação de vários pontos de convergência pode representar vários locais de impacto e movimento da fonte sangue. O ponto de convergência é uma representação bidimensional, para determinar origem real das gotas de sangue (área de origem) ou a altura ou distância da fonte de sangue da superfície é necessário que se determine o ângulo de impacto das gotas de sangue para proporcionar uma representação tridimensional.

Acima: linhas traçadas a partir do eixo de respingos de sangue, cruzando-se no ponto de convergência.


Direção

É uma das informações mais importantes disponíveis para o perito. A direção de uma mancha de sangue indica a direção que o sangue estava viajando quando impactou com a superfície. Direção do voo de um gota de sangue geralmente pode ser estabelecida a partir da forma geométrica da mancha de sangue. Nos respingos, a direção é determinada considerando a forma da mancha em conjunto com a cauda e manchas satélites criadas pelo impacto da gota. O ângulo direcional é paralelo ao eixo longitudinal da mancha principal e a cauda e manchas satélites se formam ao lado oposto do trajeto da gota no momento do impacto.

Coagulação

Este fenômeno ocorre após a abertura dos vasos sanguíneos, quando o sangue se torna viscoso e depois se solidifica. Através da sua análise, é possível estimar o período entre o derrame de sangue e a análise da mancha. Existem três estádios de coagulação, após o derrame: coágulo inicial, que ocorre entre 30 a 90 segundos; estabelecimento do coágulo, entre 5 a 20 minutos; e retração do coágulo, que ocorre entre 30 a 90 minutos após o derrame, nessa fase já ocorre a separação dos elementos celulares.


Padrão de transferência

Quando uma mancha de sangue é criada após o contato de uma superfície ensanguentada com uma segunda superfície.


Cast-off (arremesso)

Padrão de mancha de sangue criado quando o sangue é liberado ou lançado a partir de um objeto ensanguentado em movimento.


Padrão de ricochete

A deflexão de grandes volumes de sangue após o impacto com uma superfície alvo que resulta em manchas em uma segunda superfície. Esse padrão não ocorre quando pequenas gotas de sangue atingem uma superfície.


Vazio ou sombra

Área em um padrão de manchas de sangue que mostra ausência de sangue. Muitas vezes, a geometria do espaço vazio irá sugerir um esboço do objeto que interceptou o sangue, tais como um sapato, móveis, pessoa.

Jorro/Jato

O escape de sangue sob pressão causam padrões de manchas de sangue como jorros ou jatos. Eles geralmente ocorrem como um resultado de uma artéria violada, por isso, é comum ver a descrição jorro/jato arterial. Se uma artéria ou o próprio coração é violado por algum ferimento enquanto o coração é funcional, o padrão resultante provavelmente exibe tanto o aumento e a diminuição da pressão arterial à medida que o sangue flui a partir da ferida e a força de projeção por trás do fluxo. Jorros são padrões de grande volume em que as variações de pressão são menos distintas simplesmente devido ao volume de sangue jorrando para fora da ferida ser grande. Jatos geralmente representam um menor volume de sangue perdido e no padrão dá para observar o aumento e a queda de pressão nas manchas de sangue para baixo e para cima nas superfícies circundantes. O padrão pode ter uma aparência de ziguezague ou onda com pontos terminais distintos.


Salpico de moscas

Outro tipo de manchas que podem ser encontradas em uma cena e confundir o perito são resultados da atividade de moscas após o derramamento de sangue. Moscas são atraídas pelo sangue e após se alimentarem, elas regurgitam e defecam, assim, as moscas causam manchas por regurgitação, defecação e transferência. Portanto, é importante ser capaz de identificar tais manchas, pois elas não devem ser consideradas na reconstrução da cena do crime.

Sangue dentro do sangue

Gotejamentos depositados em uma outra mancha de sangue já depositada na superfície, o impacto da gota no interior da mancha resulta em um aumento significativo de respingos secundários. A borda torna-se irregular e espinhos ejetam da mancha.

Nebulização ou sangue atomizado

Padrões de manchas de sangue que tem uma aparência de névoa como o resultado da energia ou a força aplicada a ele, normalmente, uma força explosiva, como um tiro. O padrão resultante é composto de manchas pequenas e circulares, que podem ser macroscopicamente indistinguíveis no padrão geral.

Respingos

São manchas que resultam da dispersão de sangue como resultado da aplicação de algum tipo de força na fonte de sangue. Existem dois tipos de respingos: para frente e para trás (backspatter). Um impacto na fonte, independentemente da sua natureza, provoca a quebra do sangue em partículas menores. A dimensão do respingo vai depender da natureza e da força associada ao impacto. Estas manchas podem ainda fornecer indícios relativos, no caso de disparos de armas de fogo, à posição e orientação que as mãos assumiam no momento do disparo.

Gotejamento/Trilha de gotejamento

Respingos provenientes de sangue escorrendo de um indivíduo ou de algum objeto ensanguentado. Uma trilha de gotejamento é um depósito de uma série de gotas em orientações lineares. Quando o sangue se acumula num objeto, pequenas gotas se formam e no momento em que a massa/volume chega a um ponto específico (aproximadamente 0,08 ml), a gravidade supera a capacidade de tensão de superfície e a gota cai.


Fluxo

A circulação de sangue líquido, como uma massa sob o efeito da gravidade. É um padrão encontrado em muitos locais de crime, pode ser notado na vítima, objetos ou superfícies. Enquanto o coração ainda está funcionando, o sangue é geralmente forçado para a superfície da ferida, independentemente da posição física. Uma vez fora do corpo, a gravidade assume resultando em fluxos para baixo do corpo. Uma vez que o coração para de bater, a posição do corpo pode impedir a gravidade de criar fluxos, se tornando um recipiente do sangue. Mas, por exemplo, se o corpo está virado para o lado com a ferida para baixo, qualquer sangue disponível na ferida irá escoar.

Mancha matriz

Mancha a partir da qual se originam os respingos satélites. Quando uma gota de sangue choca com uma superfície, a tensão superficial, a inércia e a velocidade agem para manter a gota inteira ou quebrá-la em pedaços. Como ela cai, a tensão superficial é vencida e a gota se quebra em gotas menores e uma maior, essa é a mancha matriz.

Mancha primária

A principal mancha encontrada em qualquer padrão. Em termos de classificação, o analista está preocupado com o reconhecimento da mancha primária. Isto é importante porque muitos padrões têm associado as manchas secundárias presentes, como os respingos secundários e espinhos. Nos padrões de respingos, as manchas matrizes são as manchas primárias, em outros padrões, como em jorros, a maior mancha é a mancha primária.


Mancha de saturação

Um acúmulo de sangue líquido criado pelo contato de sangue que é absorvido por uma superfície permeável. Eles normalmente ocorrem quando o vestuário ou itens de tecido estão expostos a fluxos de sangue ou poças.

Espinhos

Pontas que irradiam do centro de uma mancha de sangue. A sua formação depende da velocidade de impacto e da textura da superfície. A presença de espinhos ajuda o perito a identificar a direção que a gota estava viajando no momento do impacto. Estas estruturas são encontrados do lado oposto ao da mancha que impactou primeiro.

Swipe

Mancha ou padrão criado pela transferência de sangue a partir de um objeto ensanguentado para outro, por alguma forma de movimento lateral.

Acima: padrão de swipe, causada por transferência por cabelo.


Wipe (limpar, esfregar)

Qualquer mancha ou padrão criado quando um objeto se move através de uma mancha de sangue pré-existente em outra superfície. Após limpar ou esfregar uma mancha pode surgir um anel exterior seco, o que também pode ser chamado de esqueletização, isto depende da quantidade de tempo que passou entre a deposição do sangue e a limpeza.

Acima: efeito de esqueletização em gotas de sangue. Cada gota foi depositada e sofreu processo de limpeza após o tempo indicado.


Sangue expirado

Sangue expelido pela boca, nariz, ou aparelho respiratório (tosse, expiro), pode criar um padrão específico. A aparência da mancha pode parecer outro tipo de padrão produzido por outras ações que geram respingos. Portanto, o perito deve ficar atento para não classificar de forma errada esse tipo de mancha, podendo prejudicar a análise.


Backspatter (tradução livre: respingos de volta)

Os ferimentos causados por projéteis de arma de fogo podem produzir manchas de sangue conhecidas como backspatter, que resultam da projeção do sangue para trás, isto é, para a arma de fogo e/ou atirador. A presença ou ausência de backspatter numa arma de fogo ou sobre o atirador pode ser usada no tribunal como prova de culpa ou inocência e até mesmo para analisar a proximidade do atirador à vítima.

Alguns fatores podem alterar nos padrões de manchas de sangue. Por exemplo, um indivíduo musculoso absorve o impacto de um instrumento contundente e pode resultar apenas em um hematoma dos tecidos moles. A massa muscular pode interferir na penetração de uma faca ou outro objeto pontiagudo, até projéteis podem ter sua penetração retardada em massa muscular, dependendo do calibre e velocidade. Nestes casos, a quantidade de sangramento interno e externo pode ser minimizada. Em contraste, os indivíduos menos musculosos, inclusive crianças e idosos, podem sofrer prejuízos mais graves e aumentar o sangramento em determinadas situações.

Para James e Eckert, a análise das manchas de sangue pode fornecer informações importantes para o perito para a reconstrução de um local de crime, como:

  • Origem(s) das manchas de sangue.
  • A distância entre as áreas de impacto dos respingos de sangue e de origem no momento do derramamento de sangue.
  • Tipo e direção do impacto que produziu manchas de sangue ou respingos.
  • Objeto(s) que produziu determinadas manchas de sangue ou respingos.
  • Número de golpes, tiros, etc. que ocorreu.
  • Posição da vítima, agressor ou objetos na cena durante o derramamento de sangue.
  • Movimento e direção da vítima, agressor ou objetos no local depois do derramamento de sangue.
  • Suporte ou contradição de depoimentos de suspeitos ou testemunhas.
  • Critérios adicionais para a estimativa do intervalo post mortem.
  • Correlação com outros resultados laboratoriais e de patologia relevantes para a investigação.


Bevel e Gardner acrescentam algumas informações que podem ser descobertas a partir do padrão de manchas de sangue, como:

  • A direção para a qual o sangue estava indo quando foi depositado;
  • O ângulo de impacto;
  • A zona de origem para padrões de impacto;
  • A direção da qual foi aplicada uma força;
  • A sequência de múltiplos eventos relacionados ao incidente.


Quanto à classificação das manchas de sangue, James e Eckert afirmam que as manchas de sangue são, tradicionalmente, classificadas em três categorias principais, com base na quantidade de força externa necessária para produzi-las e na sua dimensão relativa. As categorias são divididas em relação à velocidade: impacto de baixa, média ou alta velocidade.

O impacto de baixa velocidade é caracterizado por uma força externa aplicada à fonte de sangue de até 1,5 m/s (metros por segundo), essa velocidade inclui a força gravitacional normal. O tamanho típico de manchas de sangue produzidas nessa situação é de 3 mm ou mais em diâmetro, e pode ocorrer uma variedade de direções. Exemplos de atividades que produzem manchas de sangue nesta categoria são:

  • Gotas de sangue em queda livre, afetadas apenas pela gravidade;
  • Gotejamento;
  • Gotas que caem com movimento horizontal (andando ou correndo);
  • Espirro ou projeção de sangue;
  • Padrões de fluxo de sangue em superfícies horizontais ou verticais;
  • Padrões de transferência de sangue (sangue transferido para alguma superfície por contado de mão, cabelo, pé);
  • Sangue arremessado.


Já o impacto de média velocidade é caracterizado por uma força externa aplicada à fonte de sangue entre 1,5 e 7,6 m/s. O tamanho típico de manchas de sangue produzidas é de 1 a 3 mm de diâmetro, embora manchas maiores e menores possam estar presentes, e pode haver variedade de direções. Exemplos de atividades que produzem manchas de sangue nesta categoria são:

  • Traumatismo craniano;
  • Cortes e esfaqueamentos.


Os impactos de alta velocidade são caracterizados por uma força externa de mais de 30,48 m/s. O tamanho típico das manchas de sangue produzidas é menor do que 1 mm de diâmetro, mas podem ser encontradas manchas menores ou maiores e também uma variedade de direções. Alguns exemplos de atividades que produzem manchas de sangue nesta categoria são:

  • Perfuração por projétil de arma de fogo;
  • Explosões;
  • Trauma por máquinas de alta velocidade.


Há tipos de manchas de sangue que não se encaixam em nenhuma das três categorias descritas, que podem estar no intervalo de tamanho de manchas de baixa para média velocidade, como o padrão de manchas de sangue formado quando uma artéria rompe.

Akin considera que a velocidade do sangue quando atinge uma superfície é um indicador da força em que o sangue entrou em movimento. Nesse caso, a velocidade é a força que faz com que o sangue se movimente e não a velocidade. A alta velocidade gera respingos de sangue inferiores a um milímetro e tende a ser causada por uma velocidade superior a 30 m/s, como por exemplo, tiros, explosivos, tosse ou espirros. A velocidade média pode resultar de uma artéria jorrando, um golpe por faca, machado ou quando um instrumento contundente atinge a cabeça já ensanguentada da vítima, essas manchas de sangue medem entre um e três milímetros e são resultantes de uma força externa entre 1,52 m/s e 7,62 m/s. Manchas de baixa velocidade são produzidas apenas pelo efeito da gravidade, como sangue escorrendo de uma pessoa parada ou em movimento ou de uma arma ensanguentada, o sangue cai em um ângulo de 90 graus com a superfície e forma uma circunferência de aproximadamente três milímetros ou mais.

The Scientific Working Group on Bloodstain Pattern Analysis‖ (SWGSTAIN), em tradução livre, grupo científico que trabalha na análise do padrão de manchas de sangue, classifica os padrões em três categorias básicas: gota passiva, padrão de contato ou transferência e manchas de sangue projetadas.

  • Gota passiva: é um padrão ou fluxo de sangue no qual a gravidade atua sozinha, como o coágulo, gotejamento, poça de sangue.
  • Padrão de contato ou transferência: é um padrão que aparece quando uma superfície encharcada de sangue entra em contato com uma segunda superfície. A superfície original pode ser percebida no padrão da mancha de sangue, como um todo ou como uma imagem reconhecível, como em contato padrão, esfregaço, mancha de inseto (manchas de mosca).
  • Manchas de sangue projetadas: acontecem quando uma fonte de sangue é exposta a uma força maior que a gravidade, como uma artéria jorrando, respingos de sangue.


Akin afirma que a interpretação e uma compreensão básica do padrão de manchas de sangue permite determinar alguns pontos críticos em uma cena de crime, como estabelecer o ponto de convergência que mostra onde a vítima estava; as posições da vítima, do agressor e objetos no local durante o ataque; o tipo de arma utilizada para causar os respingos; o número de golpes que ocorreram; a movimentação e direção da vítima e do agressor depois que começou o derramamento de sangue; pode apoiar ou contradizer os depoimentos dados por testemunhas; o perito pode usar a interpretação das manchas de sangue para determinar que eventos ocorreram, quando e em que sequência eles ocorreram, quem estava e quem não estava lá, o que não aconteceu.